Crítica: "La La Land – Cantando Estações"

La La Land – Cantando Estações
(La La Land)
Musical/Romance/Comédia
Data de Estreia no Brasil: 12/01/2017
Direção: Damien Chazelle
Distribuidora: Paris Filmes

         Mia e Sebastian (Emma Stone e Ryan Gosling) são o resumo do motivo pelo qual este “La La Land” funciona tão bem: ela é uma aspirante a atriz que se mudou para Hollywood em busca do sucesso, ele é um músico fanático por Jazz que sonha em abrir seu próprio clube do gênero (o que faz com que um musical seja o palco perfeito para a suas histórias, já que se mostra a junção musicista de um com o sonho cinematográfico de outro), juntos dividem sonhos e receios quanto ao sucesso almejado, o que poderia fatalmente ser desenvolvido de forma clichê e pouco cuidadosa. Mas basta você assistir aos primeiros minutos de projeção para saber que este não é um musical genérico, na verdade, o plano sequencia inicial do longa não só é uma realização magistral em termos visuais, como ainda funciona como uma dica perfeita dos caminhos que o filme pretende traçar.

         Balanceando de maneira perfeita o exagero dramático dos musicais (que, à grosso modo, é um gênero sobre pessoas com sentimentos tão intenso que precisam dar vazão a estes por meio da música) e uma mensagem de certa forma realista e agridoce, o mais novo trabalho de Damien Chazelle (do espetacular Whiplash) como roteirista e diretor é um primor de inventividade. Os diálogos são bem escritos e contagiantes em seu senso de humor leve e a estrutura do roteiro aproveita cada informação dada ao longo do filme para reutilizar mais adiante nem que seja numa passagem pequena, já a narrativa é comanda por Chazelle com energia pura, com o jovem diretor adotando longos takes em sua abordagem, numa clara alusão aos trabalhos clássicos de Hollywood – uma alusão salientada pelo uso de fades in e out circulares, o letreiro de “The End” ao fim da projeção ou mesmo a mensagem de CinemaScope no inicio do longa são outros sinais do diretor se divertindo em seu trabalho.
         Aliás, tal decisão em filmar em CinemaScope é certeira por parte do diretor de fotografia Linus Sandgren, que ainda é inteligente em suas composições sensíveis em suas imagens – e a maneira com que a cinematografia captura a luz do sol se ponto no horizonte na sequencia musical de “A Lovely Night” é impressionante em sua beleza -, Sandgren lança mão de um controle absoluto das sequencias em contra-luz ou de ambientes iluminados por uma luz neon. A fotografia é perfeita ainda em sua atmosfera ensolarada, já que passa um sentimento de conforto e “aquecimento” que salientam um ar de esperança ou, quando necessário, melancólico, manipulando de maneira perfeita uma dramatização do ambiente ao gradualmente apagar ou ascender as luzes.
         O trabalho de cinematografia relaciona-se muito bem com a paleta de cores que são utilizadas nos mais diversos aspectos da produção, seja pelos ambientes grandiosos e exagerados (que mostram um trabalho interessante da direção de arte ao construir um ambiente da Hollywood clássica com tecnologia do século XXI) ou mesmo pelo figurino que privilegia o uso de cores básicas em tonalidades fortes, principalmente no início da estória, já que quando os conflitos principais do filme vão se instaurando as cores tomam um caráter mais sóbrio ou mesmo enfraquecido (num uso do bege, cores básicas em tons mais claros, cinza, etc…). Ainda, tais transições do figurino podem ser conferidas como um reflexo do arco dos personagens, basta comparar a primeira cena do casal principal com a última do filme para se ver um toque até de amadurecimento por parte dos indivíduos.
         E já que falei pela segunda vez do casal principal, deixe-me assegurar que são eles o coração deste longa graças as atuações perfeitas de todos os envolvidos. Se a participação do músico John Legend é extremamente operante e a ponta de J.K.Simpsom funciona quase que como uma referência ao longa anterior de Chazelle, Ryan Gosling se mostra mais uma vez um dos atores mais versáteis e carismáticos no cinema atualmente. Compondo Sebastiam com um traço de arrogância e empolgação quanto a sua paixão pelo Jazz, Gosling consegue ainda demonstrar um domínio na habilidade de dançar, realizar números de sapateado ou mesmo ao tocar piano (o que o ator aprendeu de verdade para o filme). A atuação de Emma Stone, por outro lado, é cheia de nuances acerca da personalidade insegura e ambiciosas de Mia, carregando os maiores momentos dramáticos do longa – E não é a toa que basta um único olhar trocado entre ambos em certo ponto da narrativa para que percebamos uma infinidade de emoções ainda que nenhuma palavra seja dita.
         Mas estamos falando de um musical afinal de contas, assim, um dos principais elementos eu engrandecem a estória são mesmo as melodias e letras utilizadas na produção, que não só comentam perfeitamente bem as cenas, como ainda funcionam  como um elemento narrativo perfeito para as atitudes dos personagens. Note, por exemplo, como ao surgir cada vez mais percalços e empecilhos conflituosos no filme a música parece ficar cada vez mais escassa (já que esta é a exaltação dos sentimentos mais intensos de felicidade no início da projeção), com Chazelle incluindo um plano detalhe que mostra a música parando de tocar num disco de vinil no exato momento em que ocorre um ponto de virada na estória, assim como a cena na qual os personagens flutuam entre as estrelas de um observatório, numa representação perfeita de exacerbação de uma leveza que o amor dá aos dois – Algo que me remeteu ao belo “Todos Dizem Eu Te Amo” de Woody Allen.
             E é nesses detalhes dramáticos que “La La Land” se torna um grande filme, sendo uma obra que retrata com perfeição as frustrações e esperanças na busca por nossos sonhos mais profundos, bem como os sacrifícios que temos de fazer para conquistar algo que julgamos por vezes inalcançável. “La La Land – Cantando Estações” merece destaque, ainda, por ser uma construção elegante e enérgica em sua releitura nostálgica mais do que necessária para um gênero que há anos estava parado ou relegado à mediocridade, mas que agora recebe um de seus melhores exemplares que faz justiça aos filmes que homenageia.
Por Han Solo
Excelente
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s